Logo Studenta
Gratis
28 pág.
Aula 3 SBNPE

Vista previa | Página 1 de 7

16/05/17	
  
1	
  
CURSO PREPARATÓRIO 
PROVA DE TITULO DE ESPECIALISTA 
Lilian Mika Horie	
  
ROTEIRO	
  DA	
  AULA	
  
• Triagem	
  nutricional	
  
• Avaliação	
  obje<va	
  e	
  subje<va	
  
• Composição	
  corporal	
  
AVALIAÇÃO	
  
NUTRICIONAL	
  
• Necessidades	
  energé<cas	
  
• Gasto	
  energé<co	
  
• Equações	
  predi<vas	
  
• Calorimetria	
  indireta	
  
NECESSIDADES	
  
NUTRICIONAIS	
  
Desnutrição	
  -­‐	
  definição	
  
StraSon	
  RJ	
  et	
  al.,	
  Br	
  J	
  Nutr	
  2004.	
  	
  
“Estado	
  provocado	
  por	
  uma	
  
deficiência,	
  excesso	
  ou	
  desequilíbrio	
  
de	
  energia,	
  de	
  proteína	
  e	
  de	
  outros	
  
nutrientes	
  e	
  que	
  levam	
  à	
  efeitos	
  
adversos	
  no	
  organismo	
  com	
  
consequências	
  clínicas	
  e	
  funcionais”	
  	
  
16/05/17	
  
2	
  
Desnutrição	
  
Barbosa-­‐Silva	
  MCG	
  e	
  Barros	
  AJD,	
  Arq	
  Gastroenterol	
  2002;	
  Sungurtekin	
  H	
  et	
  
al.,	
  Nutri<on	
  2004;	
  Ulíbarri	
  IJ	
  et	
  al.,	
  Nutr	
  Hosp	
  2005.	
  	
  
A	
  prevalência	
  da	
  desnutrição	
  hospitalar	
  
varia	
  de	
  20%	
  a	
  50%	
  em	
  diferentes	
  estudos	
  
conforme	
  metodologia,	
  definição	
  de	
  
desnutrição,	
  população.	
  
Alguns	
  pacientes	
  já	
  são	
  admi<dos	
  no	
  
hospital	
  com	
  desnutrição	
  e	
  outros	
  
desenvolvem-­‐na	
  após	
  internação.	
  
Desnutrição	
  
↓da	
  capacidade	
  
funcional	
  e	
  da	
  
qualidade	
  de	
  vida	
  
↑	
  tempo	
  de	
  
internação	
  
↑	
  custo	
  
↑	
  morbidade	
  e	
  
mortalidade	
  
Desnutrição	
  	
  -­‐	
  avaliação	
  nutricional	
  
u É	
  detectada	
  através	
  da	
  avaliação	
  nutricional;	
  	
  
u Existem	
  muitas	
  ferramentas	
  para	
  realizar	
  a	
  
avaliação	
  nutricional:	
  parâmetros	
  
bioquímicos,	
  antropométricos,	
  clínicos	
  e	
  
dieté<cos;	
  	
  
u Contudo,	
  nenhuma	
  delas	
  é	
  padrão	
  ouro,	
  visto	
  
que	
  todos	
  os	
  métodos	
  possuem	
  limitações	
  na	
  
sua	
  u<lização.	
  	
  
16/05/17	
  
3	
  
Importante	
  implicação	
  
Portaria	
  n.343/GM	
  	
  07/03/2005	
  
O estado 
nutricional deve 
ser conhecido em 
todos os pacientes	
  
No Brasil - Ministério 
da Saúde: obrigatória 
a implantação de 
protocolos de 
rastreamento e 
avaliação nutricional 
para acompanhamento 
de pacientes internados 
pelo SUS 
PORQUE	
  REALIZAR	
  AVALIAÇÃO	
  DO	
  
ESTADO	
  NUTRICIONAL??	
  	
  
Lacey	
  &	
  PritcheS	
  	
  2003.	
  Nutri<on	
  Care	
  Process	
  and	
  Model:	
  ADA	
  adopts	
  road	
  map	
  to	
  quality	
  care	
  and	
  outcomes	
  management.	
  J	
  Am	
  Diet	
  Assoc	
  	
  
Aug;103(8):1061-­‐72.	
  
	
  
	
  	
  	
  01.	
  Obter	
  informações	
  
adequadas	
  a	
  fim	
  de	
  
idenPficar	
  	
  deficiências	
  
nutricionais	
  	
  
	
  	
  	
  02.	
  Nortear	
  
a	
  terapia	
  
nutricional	
  
	
  	
  	
  03.	
  Avaliar	
  a	
  efePvidade	
  da	
  
terapia	
  nutricional	
  
EXISTE	
  DIFERENÇA	
  ENTRE	
  TRIAGEM	
  E	
  
AVALIAÇÃO	
  DO	
  ESTADO	
  NUTRICIONAL?	
  
Triagem	
  
nutricional	
  
•  Instrumento	
  capaz	
  de	
  
rastrear	
  o	
  risco	
  
nutricional	
  	
  
• A	
  detecção	
  precoce	
  do	
  
risco	
  pode	
  reduzir	
  o	
  
tempo	
  de	
  internação	
  
hospitalar	
  
Avaliação	
  
nutricional	
  
• Conjunto	
  de	
  métodos	
  
u<lizados	
  para	
  aferir	
  o	
  
estado	
  nutricional	
  
• Detectar	
  e	
  Classificar	
  o	
  
Grau	
  da	
  Desnutrição	
  	
  
Lacey	
  &	
  PritcheS	
  	
  2003.	
  Nutri<on	
  Care	
  Process	
  and	
  Model:	
  ADA	
  adopts	
  road	
  map	
  to	
  quality	
  care	
  and	
  outcomes	
  management.	
  J	
  Am	
  Diet	
  Assoc	
  	
  
Aug;103(8):1061-­‐72.	
  
	
  
16/05/17	
  
4	
  
EXISTE	
  DIFERENÇA	
  ENTRE	
  TRIAGEM	
  E	
  
AVALIAÇÃO	
  DO	
  ESTADO	
  NUTRICIONAL?	
  
Triagem	
  
nutricional	
  
•  Instrumento	
  capaz	
  de	
  
rastrear	
  o	
  risco	
  
nutricional	
  	
  
• Reconhecimento	
  
precoce	
  do	
  risco	
  pode	
  
reduzir	
  o	
  tempo	
  de	
  
internação	
  hospitalar	
  
Avaliação	
  
nutricional	
  
• Conjunto	
  de	
  métodos	
  
u<lizados	
  para	
  aferir	
  o	
  
estado	
  nutricional	
  
§ 	
  Seleção	
  	
  è	
  separação	
  	
  (triar)	
  	
  
§ Momento	
   para	
   realização	
   da	
  
triagem:	
  	
  
em	
  até	
  48	
  horas	
  após	
  internação	
  
Kondrup	
  J.	
  Nutri<on	
  Screening	
  2002.	
  Clin	
  Nutr	
  2003	
  
ADA.	
  Nutri<on	
  Screening	
  Ini<a<ve,	
  The	
  American	
  Diete<c.	
  J	
  Am	
  Diet	
  Assoc	
  1994	
  	
  
TRIAGEM	
  NUTRICIONAL	
  
Nutri<on	
  Screening	
  2002,	
  Clin	
  Nutr	
  2003	
  	
  ADA,	
  J	
  Am	
  Diet	
  Assoc	
  94:838-­‐839,	
  1994;	
  Nutri<on	
  Screening	
  Ini<a<ve,	
  The	
  American	
  Diete<c	
  
Avaliação	
  nutricional	
  
FLUXOGRAMA DE RISCO NUTRICIONAL	
PRESENÇA DE RISCO 
NUTRICIONAL	
	
AUSÊNCIA DE RISCO 
NUTRICIONAL	
	
RepePr	
  a	
  cada	
  7	
  dias	
  
Os	
  doentes	
  triados	
  como	
  em	
  risco	
  
devem	
  ser	
  submePdos	
  à	
  AN	
  para	
  
classificar	
  seu	
  estado	
  e	
  planejar	
  a	
  
terapia	
  nutricional	
  
QUAL	
  FERRAMENTA	
  UTILIZAR	
  PARA	
  AVALIAR	
  O	
  RISCO	
  
NUTRICIONAL	
  DOS	
  PACIENTES	
  HOSPITALIZADOS??	
  
NRS-­‐2002	
   	
  	
  	
  
MAN	
  
	
  	
  	
  MUST	
  
	
  	
  	
  MST	
  MeReC	
  
Bulle<n	
  
16/05/17	
  
5	
  
Triagem	
  nutricional	
  
u  A	
  inserção	
  de	
  um	
  método	
  de	
  triagem	
  nutricional	
  para	
  
iden<ficação	
  de	
  risco	
  nutricional	
  tem	
  sido	
  recomendada,	
  
nacional	
  e	
  internacionalmente.	
  	
  
u  O	
  Ministério	
  da	
  Saúde	
  no	
  Brasil	
  tornou	
  obrigatória	
  a	
  
implantação	
  de	
  protocolos	
  para	
  pacientes	
  internados	
  pelo	
  
SUS.	
  	
  
–	
  Portaria	
  272	
  MS/SVS	
  de	
  08	
  de	
  abril	
  de	
  1998	
  
–	
  Portaria	
  337	
  MS/Anvisa	
  de	
  14	
  de	
  abril	
  de	
  1999	
  –	
  Portaria	
  SAS	
  no	
  131	
  de	
  08	
  de	
  
março	
  de	
  2005	
  
–	
  RDC	
  no	
  63/Anvisa	
  de	
  06	
  de	
  julho	
  2000	
  	
  
NRS	
  2002	
  é	
  o	
  método	
  mais	
  indicado	
  no	
  paciente	
  
hospitalizado	
  na	
  população	
  brasileira	
  
• Grau	
  de	
  recomendação:	
  A	
  
Mini	
  Avaliação	
  Nutricional	
  (MAN)	
  apresenta	
  
sensibilidade,	
  especificidade	
  e	
  acurácia	
  na	
  
idenPficação	
  de	
  risco	
  nutricional	
  em	
  idosos	
  
• Grau	
  de	
  recomendação:	
  A	
  
NRS	
  2002	
  
Kondrup	
  J	
  et	
  al.,	
  Clin	
  Nutr	
  2003.	
  
v  Se	
  houver	
  pelo	
  
menos	
  um	
  “sim”	
  
passar	
  para	
  
segunda	
  parte	
  
v  Assinalar	
  a	
  
doença	
  de	
  
maior	
  
pontuação	
  
v  Questões	
  
sobre	
  IMC,	
  
perda	
  de	
  
peso	
  em	
  três	
  
meses,	
  
ape<te	
  e	
  
alimentação	
  
v  Atenção	
  
especial	
  a	
  
pacientes	
  
idosos	
  	
  
v  Escore	
  >	
  3	
  =	
  risco	
  nutricional	
  
16/05/17	
  
6	
  
	
  
v  	
  Vantagens:	
  
	
  -­‐	
  %	
  de	
  perda	
  de	
  peso:	
  indica	
  mudança	
  do	
  estado	
  
nutricional	
  
	
  -­‐	
  Pode	
  ser	
  usada	
  para	
  qualquer	
  idade	
  e	
  diferentes	
  
grupos	
  de	
  pacientes	
  
	
  	
  	
  	
  	
  -­‐	
  Apresenta	
  mais	
  de	
  uma	
  opção	
  de	
  escolha	
  para	
  
determinar	
  o	
  risco	
  
	
  -­‐	
  Não	
  classifica	
  muitos	
  falsos	
  riscos	
  
	
  -­‐	
  Capaz	
  de	
  predizer	
  desfechos	
  clínicos	
  nega<vos	
  
	
  
	
  
	
  
NRS	
  2002	
  
Kondrup	
  J	
  et	
  al.,	
  Clin	
  Nutr	
  2003;	
  	
  Raslan	
  M	
  et	
  al.,	
  Nutri<on	
  2010;	
  
Neelemaat	
  F	
  et	
  al.,	
  JCN	
  2011.	
  
v  Específico	
  para	
  idosos	
  
v  Preferência	
  para	
  
idosos	
  ambulatoriais	
  e	
  
não	
  hospitalizados	
  
v  Questões	
  sobre	
  IMC,	
  
perda	
  de	
  peso	
  não	
  
intencional	
  em	
  três	
  
meses	
  e	
  alimentação	
  
v  	
  Questões	
  específicas
Página1234567